Agora1

UTI Neonatal do HU-UEPG completa 6 anos com mais de 500 recém-nascidos atendidos

4 de novembro de 2019 - 20:42
Texto e fotos: Aline Jasper

Na última sexta (01), a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal do Hospital Universitário da UEPG completou 06 anos de funcionamento.

O primeiro internamento aconteceu no dia 08 de novembro de 2013 e, desde então, foram 539 recém-nascidos atendidos. Só em 2019, já são 61 bebês atendidos.Para o vice-reitor da UEPG, professor Everson Krum, rememorar estes 6 anos de funcionamento da UTI Neonatal significa destacar o esforço das equipes do hospital para dar qualidade e carinho na assistência, desde a infraestrutura providenciada pela gestão do hospital até o atendimento cotidiano das equipes médicas e multiprofissionais.

“A inauguração da UTI neonatal, que posteriormente abrigou a UTI pediátrica, foi um marco na assistência à saúde em Ponta Grossa porque solucionou um problema histórico de falta de leitos na região”, destaca.    “A UTI neonatal do HU proporciona aos recém-nascidos que têm alguma necessidade de suporte intensivo uma oportunidade de sobrevida. São bebês que inspiram um cuidado especial e atenção contínua, algo que é oferecido pelas equipes multiprofissionais do HU”, enfatiza a chefe de enfermagem do HU-UEPG, Simone Hanke.

Para ela, o diferencial do atendimento está no carinho e dedicação com que as equipes desempenham suas atividades.     A diretora geral do HU, Luciane Cabral, aponta para a contribuição do programa de residência multiprofissional em neonatologia para a formação de profissionais qualificados para atender à saúde dos recém-nascidos. “São profissionais de enfermagem, farmácia, serviço social, odontologia e fisioterapia, que desenvolvem atividades em Unidade de Terapia Intensiva, cuidados intermediários, maternidade, ambulatórios e na atenção primária”, detalha a diretora.

Texto e fotos: Aline Jasper

Para comemorar a data, a equipe da UTI Neonatal recebeu um mimo: em um cartão personalizado, as impressões dos pés dos bebês internados. “Foi uma forma de agradecer ao serviço de qualidade prestado pela equipe”, conta a enfermeira Juliana Estefanski, coordenadora da UTI Neonatal do HU-UEPG.Atendimento de qualidade

A coordenadora da UTI Neonatal destaca a qualidade do atendimento da unidade, com índices de óbitos institucionais (aqueles ocorridos mais de 24 horas depois da internação) de apenas 5,33%; e índices de óbitos não-institucionais (ocorridos em menos de 24h da admissão do paciente) de 6,9%. A coordenadora comemora ainda as taxas de infecção: as infecções associadas a dispositivos (cateter de acesso venoso, ventilação mecânica e sonda vesical) foram zeradas, de acordo com os últimos dados do Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar.

Segundo Juliana, a UTI conta com diversas práticas que humanizam e qualificam o atendimento, além de garantir a segurança dos pacientes, em todos os quesitos.

“Essas ferramentas auxiliam os profissionais de saúde a realizar uma assistência de qualidade e com segurança para pacientes internados, contribuindo com o processo de trabalho e proporcionando melhores resultados”, destaca.

Algumas destas ações são a utilização de bundles (pacotes de cuidados), estratificação de riscos, prescrição de cuidados individualizados para todos os recém-nascidos internados e educação continuada constante.    Os cuidados tomados para prevenção de infecções também são ressaltados pela coordenadora, que explica que até mesmo os pais e familiares são orientados sobre procedimentos, como a lavagem das mãos para entrar na UTI, procedimento acompanhado por técnico de enfermagem ou enfermeiro, independentemente do horário e tempo de permanência na unidade.

Além disso, é feito um  rigoroso controle de limpeza e desinfecção de equipamentos, Outro ponto positivo da UTI Neonatal do HU-UEPG destacado pela coordenadora é a atuação da equipe multiprofissional, composta por médicos neonatologistas, enfermeiros, técnicos de enfermagem, farmacêuticos e odontologistas especializados, psicólogos, fonoaudiólogos, assistentes sociais e fisioterapeutas.

As visitas diárias da equipe são acompanhadas pelos familiares, para que o cuidado da equipe, acolhimento dos familiares e esclarecimentos sobre o estado de saúde dos pacientes sejam realizados de forma integrada e transparente. “A equipe realiza ainda acompanhamento e incentivo ao aleitamento materno exclusivo, além de avaliações e acompanhamento diário da fonoaudiologia, fisioterapia, odontologia neonatal, psicologia e serviço social”, conta.

Para os pais e familiares, está disponível o atendimento da equipe de psicologia e serviço social, e também um local exclusivo para que as mães possam tomar banho, guardar seus pertences e descansar. “Disponibilizar um quarto para as mães facilita a permanência junto ao recém-nascido, estimulando o vínculo entre mãe, filho e familiares, além de não precisarem retornar para casa, se assim preferirem. As mães também recebem alimentação balanceada durante todo o período de internamento de seus bebês”.

Estratégias de humanização também são um ponto forte do atendimento da unidade, com incentivo ao contato pele a pele, realização do método mãe canguru, banho de balde, uso de redes para proporcionar conforto ao recém-nascido, musicoterapia, uso do polvo de crochê esterilizado para acalmar os bebês e o momento do soninho:  período em que a iluminação artificial é reduzida, dentro dos padrões de segurança, para que o recém-nascido tenha noção de dia e noite.

“Além de acompanhar as visitas multiprofissionais, os familiares recebem ainda, no momento da alta, um resumo dos diagnósticos, tratamentos e todos os procedimentos a que o recém-nascido foi submetido durante o internamento”, finaliza Juliana.

Redação Agora1
Equipe de redação do Portal Agora1. Gostaria de nos informar algo? Entre em contato! Clique aqui e nos envie um e-mail agora mesmo.