Agora1

Tarifa pelo menor preço do pedágio é unanimidade no Paraná

7 de abril de 2021 - 06:35
Deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB).Créditos:Dálie Felberg/Alep

Deputados estaduais repercutiram o protocolo feito na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) de um manifesto que pontua as conclusões das audiências públicas realizadas pela Frente Parlamentar sobre o Pedágio.

Os deputados estaduais repercutiram o protocolo feito na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) de um manifesto que pontua as conclusões das audiências públicas realizadas pela Frente Parlamentar sobre o Pedágio. O documento, assinado pelos 54 deputados estaduais, demonstra que a sociedade paranaense é amplamente contrária à proposta da União para a concessão de rodovias no estado.

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) voltou a afirmar que o modelo de tarifa pelo menor preço nas novas concessões é “unanimidade no Paraná” que rechaça a proposta do governo federal pelo modelo híbrido que inclui a cobrança de outorga.

“Os deputados, a sociedade civil organizada e o setor produtivo construíram a unanimidade que resultou no manifesto do legislativo estadual assinado por 54 parlamentares. Esse manifesto, obviamente, é fundamentado nos estudos da Frente Parlamentar sobre o Pedágio. Nós rechaçamos o modelo proposto pelo governo federal”, disse Romanelli em entrevista à imprensa.

O modelo híbrido proposto pelo governo federal, informa Romanelli, tem como critério de desempate no leilão a cobrança da maior outorga, ou uma estratégia equivalente à essa, pela empresa vencedora da concessão. “A sociedade está contra a construção de novas praças de pedágio. Esses são os dois temas (modelo híbrido e construção de novas praças) mais rechaçados pelos paranaenses”.

O coordenador da Frente Parlamentar, deputado Arilson Chiorato (PT) disse que a unanimidade entre os deputados é o reflexo do que a sociedade quer. “Esse documento assinado por todos os 54 deputados estaduais é um sinal de maturidade dos deputados que produziram um documento que sintetiza as demandas ouvidas em 10 audiências públicas promovidas por essa Casa em todos os lugares do Paraná”, disse. “É o sentimento comum de não querer o modelo híbrido, não ao degrau tarifário e sim à defesa do povo, ao pedágio com justiça e com segurança”, completou.

Chiorato também falou que as instalações das novas praças de pedágio devem ser revistas. “Rediscussão da criação de novas praças e localização das atuais praças de pedágio é um dos pontos essenciais. É uma decisão unânime dos 54 deputados como compromisso com o povo paranaense. Isso mostra que os partidos, as posições políticas quando se trata de Paraná ficam em segundo plano. Se tudo der certo não teremos mais pedágio caro no Paraná. O recado já foi dado, não vai ter cessão de rodovias se não aceitarem discutir esses pontos e acredito que no final vamos vencer essa batalha”.

Membro da Frente Parlamentar, o deputado Tercílio Turini (CDN), disse que a “Assembleia cumpre seu papel dizendo o que ela pensa e que é seguramente o pensamento de toda a população paranaense” ao protocolar o manifesto na ANTT. “Não queremos modelo que limita o desconto, queremos que seja pelo menor preço, que tenha obras e que iniciem imediatamente. Que a gente tenha todas as garantias que as obras serão realizadas”, reforçou.

O deputado destacou que mais de 4 mil sugestões foram apresentadas à ANTT e que todas elas deverão ser respondidas pelo órgão federal. “São questões que terão que ser respondidas e justificadas porque aceitaram ou porque não aceitaram a sugestão. Aí a importância da Assembleia e dos deputados terem se posicionado, pois saberemos de fato o que a ANTT quer”, disse. “Os atuais contratos terminam em sete meses. É um pesadelo que queremos esquecer e não podemos errar nesse novo modelo que está sendo colocado pelo Governo Federal e que irá durar 30 anos. A Assembleia tem cumprido seu papel fundamental de levar o debate para todos os cantos do Paraná, para a sociedade civil organizada. Temos tido um retorno importante e praticamente unânime da sociedade que não aceita o modelo proposto. Grandes debates virão pela frente, eles não se encerram com esse documento. Vamos continuar com o debate em todo o Paraná”, completou.

Para o deputado Delegado Jacovós (PL), o pedágio no modelo atual não traz retorno para a população e os empresários e a modelo proposto pelo governo federal vai seguir na mesma forma. “Esse documento diz que o povo paranaense não aceita mais pagar o pedágio mais caro do mundo aqui no estado. Um contrato feito há 24 anos e que não trouxe retorno social e econômicos devido ao Estado. Esse modelo implantado só enriqueceu as pedageiras e conglomerados econômicos”, disse. “É unanimidade entre o povo do Paraná, desde o pequeno, micro ou grande comerciante e empresário, os produtores paranaenses que não aceitam essa imposição de outorga, que nada mais é do que o Governo receber o dinheiro de imediato e não ter a garantia de que esse dinheiro será aplicado nas estradas e deixa a tarifa mais cara”.

Caução – O manifesto também pontua a necessidade de uma cláusula de garantia no contrato de concessão da realização das obras por meio de um depósito de caução. Também há um questionamento vigoroso no documento em relação à criação de degrau tarifário após a duplicação de um trecho de rodovia.

O deputado Romanelli também lembrou que a Assembleia Legislativa já tem uma posição majoritária de não autorizar a cessão das rodovias estaduais – um terço dos 3.327 quilômetros que podem ser pedagiados – caso o governo federal não atenda a proposta paranaense. “São 1.163 km de rodovias estaduais. Se não houver concordância com o critério exclusivamente pelo menor preço de tarifa, sem limite de desconto, as rodovias estaduais não serão delegadas para exploração da União, o que vai inviabilizar os lotes que o governo federal pretende fazer no Paraná”.

Mesmo propósito – “Nós queremos a licitação limpa, ampla, licitação correta, com lances: quem oferecer o menor preço de tarifa é que leva a concessão. Nós não queremos é novamente ficar com aquele contrato que querem fazer de 30 anos com um modelo ruim de pedágio, com um pedágio caro, a mais do que devia ser.  Nós queremos uma tarifa justa de pedágio no Paraná”, completa Romanelli.

Redação Agora1
Equipe de redação do Portal Agora1. Gostaria de nos informar algo? Entre em contato! Clique aqui e nos envie um e-mail agora mesmo.