Agora1

Homem invade igreja mata ex-namorada e mais três pessoas em Paracatu

22 de maio de 2019 - 17:03
Reprodução

Um homem matou na noite de ontem (21) quatro pessoas em Paracatu, em Minas Gerais. Segundo a Polícia Militar, após esfaquear no pescoço e matar uma ex-namorada, o criminoso foi à igreja Batista Shalon e matou outras três pessoas com uma arma. Os nomes das vítimas ainda não foram revelados, nem o do atirador.

Policiais que estavam perto da igreja evangélica conseguiram chegar rapidamente ao local, e atiraram no criminoso, que foi levado com vida a um hospital, onde foi operado.

Segundo policiais, o desfecho poderia ter sido muito pior porque havia 20 pessoas na igreja quando o atirador chegou.

“O rapaz foi à casa da mãe dele, onde também estavam a irmã dele e uma ex-namorada. Ele entrou, desferiu um golpe de faca no pescoço da ex-namorada, que veio a óbito. Saiu dali e foi em direção de uma igreja batista, onde se realizava uma reunião fechada com cerca de 20 pessoas. Ele entrou com uma garrucha calibre 0.36 e disparou atingindo a cabeça de um senhor”, disse o porta-voz da PM, major Santiago.

A Polícia Militar informou que, ao chegar na igreja, o atirador efetuou um disparo na cabeça de um homem. Em seguida, recarregou a arma e atirou atingindo a cabeça de uma mulher.

“Felizmente havia um patrulhamento da PM próximo que percebeu [o ocorrido]. Ele [o atirador] percebeu a presença dos policiais e tomou outra mulher como refém, mas no momento em que os policiais começaram a negociar, ele atirou na cabeça dela. A polícia revidou e acertou o criminoso, que não veio a óbito”, acrescentou o porta-voz da PM.

Segundo ele, o desfecho poderia ter sido ainda pior, uma vez que havia dezenas de pessoas celebrando um culto na igreja. O homem foi identificado pela PM como sendo Rudson Aragão Guimarães, 39.

“Infelizmente confirmamos os três óbitos na igreja e o da ex-namorada. Mas, com 20 pessoas no local, a situação poderia ter sido muito pior se não fosse a intervenção da Polícia Militar”, disse o major.

Em entrevista ao jornalista Valter Lima, no programa Revista Brasil, da Rádio Nacional de Brasília,  emissora da EBC, o tenente coronel Luiz Magalhães, do 45º Batalhão da Polícia Militar de Paracatu, disse hoje (22) que o assassino passava por distúrbios e já teria tido envolvimento com drogas.

“Pelos relatos que colhemos de alguns fiéis, ele demonstrava sinais de distúrbios psicológicos e psiquiátricos. Ele dizia que ouvia vozes e tinha alucinações. Era membro da igreja e, ao que consta, ficou insatisfeito por ter sido retirado de alguns trabalhos, justamente por mau comportamento”, relatou.

Redação Agora1
Equipe de redação do Portal Agora1. Gostaria de nos informar algo? Entre em contato! Clique aqui e nos envie um e-mail agora mesmo.