Agora1

Criminosos aplicam golpes usando pandemia de coronavírus; diz policia

26 de março de 2020 - 19:21
Imagem arquivo A1

Com o período de restrições ao convívio social, a Polícia Civil do Paraná (PCPR) alerta a população para possíveis golpes nesta época. Além da forma virtual, os estelionatários podem fazer vítimas também por telefone ou indo até a casa das pessoas.

Segundo o delegado Emmanoel Aschidamini, um dos que já vem acontecendo em outros estados do Brasil é o golpe da visita de um servidor da saúde. Pessoas que dizem ser funcionários da área da saúde chegam às residências para uma visita, perguntando quantos idosos moram no local e pedem informações como o número do RG e CPF. “Ninguém da Secretaria da Saúde faz esse tipo de levantamento. As pessoas não devem fornecer qualquer tipo de dado”, destaca Aschidamini.

O golpe do whatsapp, modalidade de estelionato em que o criminoso obtém o código PIN de segurança da vítima para poder acessar o aplicativo de mensagens, pode se intensificar com a pandemia. Uma estratégia já utilizada na internet pode se repetir. Os golpistas utilizam nomes de marcas ee varejo para lançar falsas ofertas de produtos ou descontos e telefonam para a vítima pedindo o código PIN para que a oferta possa ser transferida para ela.

Assim, conseguem ter acesso à conta de whatsapp. Geralmente, os contatos das vítimas passam a ser assediados para que transfiram dinheiro para a conta do criminoso. O delegado da PCPR orienta as pessoas a sempre buscarem as fontes oficiais das empresas ou departamentos de governo para confirmar se a informação é verdadeira.

Pedidos de doações de dinheiro para entidades filantrópicas, associações e casas de passagem também podem ocorrer na quarentena. Da mesma forma, os cidadãos devem pedir um tempo para pensar sobre o pedido e procurar confirmar através de um telefone oficial se estão de fato recendo doações.

Redação Agora1
Equipe de redação do Portal Agora1. Gostaria de nos informar algo? Entre em contato! Clique aqui e nos envie um e-mail agora mesmo.