Agora1

Safra de grãos do Paraná deve alcançar 23,4 milhões de toneladas

25 de novembro de 2019 - 07:28
Divulgação

A safra de grãos de verão do Paraná 2019/20 está praticamente toda plantada, impulsionada pela melhora climática ocorrida durante parte do mês de outubro e início de novembro. O Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura e Abastecimento estima que poderão ser colhidas até 23,4 milhões de toneladas, volume que, se concretizado, será 19% acima de igual período do ano anterior quando foram colhidos 19,7 milhões de toneladas.

De acordo com o diretor em exercício do Deral, Marcelo Garrido, a estiagem e o calor, principalmente em setembro e outubro, podem provocar ainda algum impacto na produtividade. Mas isso não pode ser dimensionado agora, pois as lavouras ainda estão em início de desenvolvimento.

O plantio de soja ocupa 92% da área plantada em todo Estado, com 5,4 milhões de hectares. A área total plantada com grãos de verão no Paraná atinge 5,98 milhões de hectares. O clima melhorou e muitas lavouras se recuperaram do período de falta de chuvas e excesso de calor que impediu o plantio, principalmente no mês de setembro.

As regiões mais afetadas foram Oeste e Centro-Oeste. Garrido destaca que em pelo menos 20 dias de setembro houve interrupção do plantio por causa do clima e muitos casos de replantio quando retornaram as chuvas em outubro. Atualmente cerca de 96% da área está plantada.

No Norte Pioneiro e parte da região de Londrina o plantio de soja e o desenvolvimento inicial permaneceu mais afetado. “Não dá para dimensionar os impactos ainda. Mas esperamos redução na produtividade”, disse Garrido.

A previsão para a safra de soja 19/20 está mantida em 19,8 milhões de toneladas, volume 23% maior que na safra passada, quando foram colhidas 16,1 milhões de toneladas. Do total plantado, 80% das lavouras estão em boas condições, 18% em condições médias e 2% em condições ruins.

MILHO – A primeira safra de milho está totalmente plantada, ocupa uma área de 335 mil hectares – 7% a menos que na safra anterior. A estimativa de produção é de 3,1 milhões de toneladas, repetindo o volume da safra passada.

No geral, as lavouras estão em boas condições porque os impactos climáticos foram menores, informa o analista do milho do Deral Edmar Gervásio. Isso porque a maior parte do milho da primeira safra é plantada nas regiões de Curitiba, Ponta Grossa e Guarapuava, onde a falta de chuvas foi menos intensa.

Segundo Gervásio, a primeira safra de milho é de alta produtividade porque os produtores utilizam muita tecnologia nas lavouras. Muitos chegam a colher até 14 mil quilos de milho por hectare. Na média do Estado, a safra de verão de milho rende 9.000 quilos de grão por hectare.

Segundo o Deral, a segunda safra de milho plantada no Estado, conhecida como safrinha, pode ser plantada a partir de 1º de janeiro de 2020, conforme o zoneamento agrícola para o ano que vem, divulgado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

FEIJÃO – O feijão das águas, como é conhecida a primeira safra de feijão do Paraná, está com o plantio praticamente concluído, ocupando 151,4 mil hectares, área 7% inferior em relação a igual período do ano passado.

A maior parte das lavouras (88%) também está em boas condições e o Deral estima uma produção de 304,6 mil toneladas – 23% acima da safra anterior. Se confirmado o aumento serão 57 mil toneladas a mais de feijão nessa safra, volume expressivo e que indica recuperação da produtividade de feijão.

Segundo o engenheiro agrônomo do Deral, Carlos Alberto Salvador, a exemplo do milho de primeira safra, 90% do plantio de feijão concentra-se na região Sul, que também enfrentou falta de chuvas, mas com menos intensidade. “O clima mais seco foi até bom para o feijão porque não houve incidência de doenças e de fungos e as lavouras estão em condições sanitárias muito boas”, disse o técnico.

“Numa comparação com mesmo período do ano passado, as condições de plantio e desenvolvimento das plantas estão melhores este ano”, explicou Salvador. Segundo ele, atualmente cerca de 30% da safra está em floração, fase mais suscetível a temperaturas altas e baixas umidades. Mas o clima está ótimo para o desenvolvimento das plantas. Nas lavouras da região Norte, pode ser que haja algum impacto na produtividade já que as lavouras estão em situação mediana, informou Salvador.

Redação Agora1
Equipe de redação do Portal Agora1. Gostaria de nos informar algo? Entre em contato! Clique aqui e nos envie um e-mail agora mesmo.